Confira o guia de redes sociais para lojas de veículos

redes sociais para lojas de veículos

Redes sociais para lojas de veículos

As redes sociais para lojas de veículos são peças fundamentais de uma estratégia digital. Elas ajudam a criar dinamismo, informação e interação, além de aumentar a presença da marca onde os clientes costumam ficar boa parte do tempo – ou seja, na internet. Eventualmente, seu uso acaba levando mais pessoas à loja, aumentando, consequentemente, o número de negócios fechados.

No entanto, para que isso aconteça, é preciso utilizá-las corretamente, de modo a atrair a atenção do seu público-alvo e, também, vencer a concorrência – inclusive no ambiente digital. Mas, como e por onde começar?

Pensando nisso, para auxiliá-lo a driblar os principais obstáculos, preparamos um guia com tudo o que você precisa saber para aplicar e aproveitar o melhor das redes sociais em sua loja de veículos. Confira:

1. Conheça as diferenças entre as principais redes sociais

Antes de começar a montar a sua presença nas redes sociais, é preciso compreender que há diferenças entre elas: é como se cada uma fosse um modelo de carro, com características e desempenhos diferentes. Dessa forma, entender quais são essas diferenças é fundamental para que você consiga aproveitá-las da maneira mais vantajosa para o seu negócio.

Entre as principais redes sociais para lojas de veículos, estão:

Facebook

O Facebook é a maior rede social do mundo – e a mais utilizada no Brasil. Dessa forma, independentemente das características do público-alvo da loja, é muito provável que o seu cliente esteja nele.

Nesse caso, o recomendado é criar uma página ao invés de um perfil tradicional. Por lá, é possível publicar vídeos, imagens e textos que poderão ser curtidos, comentados e compartilhados. Por isso, visando sempre a interação, vale a pena investir em conteúdos relevantes para o cliente. Uma dica é apostar em publicações que permitam o uso das diversas reações disponíveis para as postagens (“curtir”, “amei”, “uau”, entre outras).

Instagram

O Instagram, por sua vez, é uma rede social visual. Ele é voltado para a publicação de fotos e vídeos, servindo para atrair os clientes por meio da estética. Para utilizá-la corretamente, portanto, é preciso caprichar nas fotos dos veículos e nos conteúdos gráficos.

Recentemente, a rede social também ganhou o recurso “Stories”, que permite a postagem de fotos e vídeos que desaparecem em 24 horas. Essa possibilidade é especialmente útil para conversar com o público jovem, além de trazer maior dinamismo para o seu perfil.

Twitter

Quando o assunto é dinamismo, o Twitter é um dos grandes destaques entre as demais redes. Isso porque ele é caracterizado pela postagem de pequenos textos de até 140 caracteres, além de imagens, gifs e vídeos diversos.

Dessa maneira, o Twitter é uma rede social rápida e que permite um engajamento pontual e em tempo real. Nela, o ideal é focar em criar mensagens curtas, diretas e muito dinâmicas, ideais para se interagir com possíveis clientes e com os usuários em geral.

2. Elabore uma estratégia de comunicação

A partir do reconhecimento das particularidades de cada rede social, é hora de começar a pensar estrategicamente. Aqui, tudo começa com o entendimento de quem é o seu público, com a compreensão de questões como idade média, renda e interesses, por exemplo.

Depois, é hora de pensar na marca: qual o tipo de imagem que o seu negócio deseja transmitir ao público? Se optar por uma imagem descontraída e divertida, por exemplo, a sua presença nas redes sociais deve levar em consideração essa questão. Além disso, essa definição será relevante não apenas para as suas postagens, mas também para a interação com os usuários – o que é muito importante para melhorar e aproximar o relacionamento entre empresa e consumidor.

Uma boa estratégia é considerar o uso de temas atuais nas postagens. Isso aumenta o poder de viralização (ou seja, quando um conteúdo ganha repercussão na web), além de conversar com o público de uma maneira mais leve.

Não menos importante, foque em ampliar a interatividade: canais como as redes sociais devem estabelecer uma comunicação rápida e de mão dupla com os possíveis clientes, de maneira a melhorar ainda mais os resultados.

3. Estabeleça métricas de acompanhamento

Tão importante quanto executar corretamente as ações nas redes sociais, é monitorar os seus efeitos. Somente a partir de uma boa análise de resultados, torna-se possível saber o que funciona e o que não funciona, de modo a investir corretamente naquilo que vem dando certo.

Para isso, cada rede social tem métricas específicas, como curtidas ou compartilhamentos. Abaixo, listamos algumas das mais importantes:

Tamanho do público

O tamanho do público é um indicador de sucesso para a sua atuação nas redes sociais. Uma maior quantidade de seguidores no Twitter/Instagram ou de curtidores no Facebook significa que há um público mais amplo acompanhando as suas postagens – o que, consequentemente, gera mais oportunidades de se fechar negócios.

Porém, quando analisada sozinha, ela é considerada uma métrica de vaidade: não adianta ter um público imenso no Facebook devido às postagens engraçadas se a maioria das pessoas nem sequer pensa em comprar um carro ou usar os serviços da sua loja. Por isso, é fundamental que essa métrica seja analisada com cuidado, ao invés de ser vista como a mais importante.

Alcance orgânico

O alcance orgânico de uma publicação corresponde ao número de pessoas que, de alguma forma, foram impactadas por essa postagem. Um grande alcance leva à maior rentabilidade do investimento, além de ampliar as oportunidades de negócio. Conteúdos virais, por exemplo, geram grande alcance orgânico e indicam uma atuação muito eficiente.

Taxa de engajamento

O engajamento é toda interação que existe por parte do público, como curtidas, comentários e até mesmo cliques em um link. Fazer o acompanhamento dessa métrica é importante ao oferecer uma visão clara do quão efetivo o conteúdo postado tem sido e quanta interação ele gera.

Em geral, um valor mais elevado dessa métrica demonstra que as ações têm sido bem recebidas e enxergadas pelos usuários, ajudando no fortalecimento da marca.

Taxa de conversão

A taxa de conversão, por sua vez, tem a ver com o número de usuários que tomaram alguma atitude desejada pela loja de veículos. Embora seja muito improvável que alguém compre um carro pelas redes sociais, a conversão pode dizer respeito a um contato pelo telefone, uma visita no site ou a participação em uma promoção, por exemplo.

Com isso, a taxa de conversão deve sempre ser a maior possível, já que demonstra que as redes sociais estão trazendo resultados reais para o empreendimento.

Agora que você já sabe como utilizar as redes sociais para lojas de veículos de maneira estratégica e eficiente, não deixe de colocar em prática as dicas do post. Como consequência, a sua marca certamente se fortalecerá, ampliando assim as chances de se fechar negócios!

E você, já usa alguma rede social para a sua loja? Aproveite para compartilhar suas experiências e dúvidas conosco nos comentários!

Confira o guia de redes sociais para lojas de veículos6 min read
Avalie este conteúdo

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever-se  
Notificação de